Os trabalhos para a recuperação do trecho da BR-470 arrastado para o Rio Itajaí-Açu identificaram um problema de drenagem em ruas de Rio do Sul, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o solo ficava encharcado porque a água penetrava por baixo da rodovia, vinda do morro que fica logo acima da cratera.
O trecho interditado fica no km 143, em Rio do Sul. O local sofreu com três deslizamentos na semana passada. Um carro chegou a cair na cratera aberta em 14 de fevereiro, após chuvas intensas na região. Até foram feitos trabalhos na rodovia após essa primeira movimentação de terra. Porém, dois dias depois, mais dois deslizamentos foram registrados.

O prazo para a conclusão das obras no local segue em 20 dias, contados a partir de 17 de fevereiro. Após descobrir esses problemas na drenagem, o DNIT começou a fazer obras relacionadas a isso no local. Porém, o órgão destacou que somente esses trabalhos não seriam suficientes.
Desta forma, a prefeitura também atua em obras de drenagem, em paralelo com o DNIT, para que a cratera tenha condições de ser fechada. O município informou que os trabalhos ocorrem no bairro Pamplona, próximo ao local onde houve os deslizamentos. Eles já estavam sendo feitos antes dos deslizamentos e continuam.

Além disso, uma nova caixa de captação será colocada para reduzir o volume de água que antes ia somente para a rede de drenagem da BR-470. Com isso, espera-se que o solo pare de ficar encharcado.

Nesta semana, o DNIT realizou cortes de árvores e serviços de batimetria no rio, para medir a profundidade do leito no local. Os próximos passos incluem a construção de um caminho para a passagem das máquinas da obra até a cratera.

Dessa forma, poderá ser retirada a camada mais argilosa do solo. Depois, será possível trazer pedras para fechar a cratera.

Trânsito
O trecho segue totalmente interditado. Para os motoristas de veículos leves, a alternativa recomendada é ir por dentro de Rio do Sul, pelo bairro Canoas.

Já para os caminhoneiros, quem tiver entrega na cidade vai ser autorizado a entrar. Porém, para os motoristas que só passam por Rio do Sul, a recomendação é ir pela BR-282.

Moradores
O local onde houve os deslizamentos é próximo de casas. A Defesa Civil não pediu que os moradores saíssem, mas orientou que ficassem atentos a sinais de movimentação de terra.

“Passamos em todas as casas, informamos todas as pessoas do risco, que é uma área de risco consolidada pelo município e isso faz com que a população possa permanecer em sua residência com as atenções redobradas”, declarou o diretor da Defesa Civil de Rio do Sul, Renato Abreu.